Um sábio, com todas as rugas do tempo, foi visitado por um estudante que, curioso queria instruções acerca da sabedoria. 

Ao encontrá-lo sentado em sua cadeira de balanço num final de tarde, ficou curioso com suas queixas.

Queixava-se que tinha muito o que fazer. 

Perguntei-lhe como era possível que, em sua solidão, tivesse tanto trabalho…

– Tenho que domar dois falcões, 

– Treinar duas águias, 

– Manter quietos dois coelhos, 

– Vigiar uma serpente, 

– Carregar um asno e 

– Dominar um leão! – disse ele.

– Não vejo nenhum animal perto do local onde o senhor vive – disse o jovem – Onde eles estão?

Então o velho sábio lhe explicou:

– Estes animais todos os homens têm!

Os dois falcões se lançam sobre tudo o que aparece, seja bom ou mau. 

Tenho que domá-los para que se fixem sobre uma boa presa. São os meus OLHOS!

As duas águias ferem e destroçam com suas garras. 

Tenho que treiná-las para que sejam úteis sem ferir. São as minhas MÃOS!

Os dois coelhos querem ir aonde lhes agradem, fugindo dos demais e esquivando-se das dificuldades… 

Tenho que ensinar-lhes a ficarem quietos, mesmo que seja penoso, problemático e desagradável. São os meus PÉS!

O mais difícil é vigiar a serpente, que  apesar de estar presa numa jaula de 32 barras, mal se abre a jaula, 

está sempre pronta para morder e envenenar os que a rodeiam; se eu não a estiver vigiando de perto, causa danos, 

muitas vezes irreparáveis. É a minha LÍNGUA!

O asno é muito obstinado, não quer cumprir com suas obrigações. 

Alega estar cansado e se recusa transportar a carga de cada dia. É o meu CORPO!

Finalmente, preciso dominar o leão… 

Ele sempre quer ser o Rei, o mais importante. É vaidoso e orgulhoso. É o meu CORAÇÃO.

 

Autor Desconhecido
Colaboração e Edição: Pr. Fraga